domingo, 27 de fevereiro de 2011

Houve uma mudança de planos

e eu me sinto incrivelmente leve e feliz. Descobri tantas coisas. Tantas, Tantas. Existe tanta coisa mais importante nessa vida que sofrer por amor. Que viver um amor. Tantos amigos. Tantos lugares. Tantas frases e livros e sentidos. Tantas pessoas novas. Indo. Vindo. Tenho só um mundo pela frente. E olhe pra ele. Olhe o mundo! É tão pequeno diante de tudo o que sinto. Sofrer dói. Dói e não é pouco. Mas, faz um bem danado depois que passa. Descobri, ou melhor, aceitei: eu nunca vou esquecer o amor da minha vida. Nunca. Mas agora, com sua licença. Não dá mais para ocupar o mesmo espaço. Meu tempo não se mede em relógios. E a vida lá fora, me chama. (CFA)

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Porque esse

talvez seja o único remédio quando ameaça a doer demais: invente uma boa abobrinha e ria, feito louco, feito idiota, ria até que o que parece trágico perca o sentido e fique tão ridículo que só sobra mesmo a vontade de dar uma boa gargalhada. (CFA)
E substituimos expressões fatais como "não resistirei" por outras mais mansas, como "sei que vai passar". Esse o nosso jeito de continuar, o mais eficiente e também o mais cômodo, porque não implica em decisões, apenas em paciência. 
(Caio Fernando Abreu)

Tô me afastando de tudo que me atrasa,

me engana, me segura e me retém. Tô me aproximando de tudo que me faz completo, me faz feliz e que me quer bem.Tô aproveitando tudo de bom que essa nossa vida tem. Tô me dedicando de verdade pra agradar um outro alguém. Tô trazendo pra perto de mim quem eu gosto e quem gosta de mim também. Ultimamente eu só tô querendo ver o ‘bom’ que todo mundo tem. Relaxa, respira, se irritar é bom pra quem? Supera, suporta, entenda: isento de problemas eu não conheço ninguém. Queira viver, viver melhor, viver sorrindo e até os cem. Tô feliz, to despreocupado, com a vida eu to de bem. (CFA)

Meu coração tá ferido de amar errado.

De amar demais, de querer demais, de viver demais. Amar, querer e viver tanto que tudo o mais em volta parece pouco. Seu amor, comparado ao meu, é pouco. Muito pouco. Mas você não vê. Não vê, não enxerga, não sente. Não sente porque não me faz sentir, não enxerga porque não quer. A mulher louca que sempre fui por você, e que mesmo tão cheia de defeitos sempre foi sua. Sempre fui só sua. Sempre quis ser só sua. Sempre te quis só meu. E você, cego de orgulho bobo, surdo de estupidez, nunca notou. Nunca notou que mulheres como eu não são fáceis de se ter; são como flores difíceis de cultivar. Flores que você precisa sempre cuidar, mas que homens que gostam de praticidade não conseguem. Homens que gostam das coisas simples. Eu não sou simples, nunca fui. Mas sempre quis ser sua. Você, meu homem, é que não soube cuidar. E nessa de cuidar, vou cuidar de mim. De mim, do meu coração e dessa minha mania de amar demais, de querer demais, de esperar demais. Dessa minha mania tão boba de amar errado. Seja feliz. (CFA)

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Eu me sinto às vezes

tão frágil, queria me debruçar em alguém, em alguma coisa. Alguma segurança. Invento estorinhas para mim mesmo, o tempo todo, me conformo, me dou força. Mas a sensação de estar sozinho não me larga. Algumas paranóias, mas nada de grave. O que incomoda é esta fragilidade, essa aceitação, esse contentar-se com quase nada. Estou todo sensível, as coisas me comovem. ( C.F.A )

Talvez um voltasse,

talvez o outro fosse. Talvez um viajasse, talvez outro fugisse. Talvez trocassem cartas, telefonemas noturnos, dominicais, cristais e contas por sedex (...) talvez ficassem curados, ao mesmo tempo ou não. Talvez algum partisse, outro ficasse. Talvez um perdesse peso, o outro ficasse cego. Talvez não se vissem nunca mais, com olhos daqui pelo menos, talvez enlouquecessem de amor e mudassem um para a cidade do outro, ou viajassem junto para Paris (...) talvez um se matasse, o outro negativasse. Seqüestrados por um OVNI, mortos por bala perdida, quem sabe. Talvez tudo, talvez nada. ( C.F.A )

Chorar por tudo que se perdeu,

por tudo que apenas ameaçou e não chegou a ser, pelo que perdi de mim, pelo ontem morto, pelo hoje sujo, pelo amanhã que não existe, pelo muito que amei e não me amaram, pelo que tentei ser correto e não foram comigo. Meu coração sangra com uma dor que não consigo comunicar a ninguém, recuso todos os toques e ignoro todas tentativas de aproximação. Tenho vergonha de gritar que esta dor é só minha, de pedir que me deixem em paz e só com ela, como um cão com seu osso. A única magia que existe é estarmos vivos e não entendermos nada disso. A única magia que existe é a nossa incompreensão. ( C.F.A )

E assim, aos poucos

ela se esquece dos socos, pontapés, golpes baixos que a vida lhe deu, lhe dará. A moça - que não era Capitu, mas também tem olhos de ressaca - levanta e segue em frente. Não por ser forte, e sim pelo contrário... por saber que é fraca o bastante para não conseguir ter ódio no seu coração, na sua alma, na sua essência. E ama, sabendo que vai chorar muitas vezes ainda. Afinal, foi chorando que ela, você e todos os outros, vieram ao mundo. ( C.F.A )
É assim o nosso ciclo. Eu te preciso. Perto, longe, tanto faz. Preciso saber que tu está bem, se respira, se comeu ou tomou banho[...]
( Caio Fernando Abreu )

Vai passar,

tu sabes que vai passar. Talvez não amanhã, mas dentro de uma semana, um mês ou dois, quem sabe? O verão está aí, haverá sol quase todos os dias, e sempre resta essa coisa chamada ''impulso vital''. Pois esse impulso às vezes cruel, porque não permite que nenhuma dor insista por muito tempo, te empurrará quem sabe para o sol, para o mar, para uma nova estrada qualquer e, de repente, no meio de uma frase ou de um movimento te surpreenderás pensando algo assim como "estou contente outra vez". Ou simplesmente "continuo", porque já não temos mais idade para, dramaticamente, usarmos palavras grandiloqüentes como "sempre" ou "nunca". Ninguém sabe como, mas aos poucos fomos aprendendo sobre a continuidade da vida, das pessoas e das coisas. ( Caio Fernando Abreu ) s2
deixa eu ser a tua paz e você será a minha eterna alegria.

Porque quando fecho os olhos,

é você quem eu vejo; aos lados, em cima, embaixo, por fora e por dentro de mim. Dilacerando felicidades de mentira, desconstruindo tudo o que planejei, abrindo todas as janelas para um mundo deserto. É você quem sorri, morde o lábio, fala grosso, conta histórias, me tira do sério, faz ares de palhaço, pinta segredos, ilumina o corredor por onde passo todos os dias. É agora que quero dividir maças, achar o fim do arco-íris, pisar sobre estrelas e acordar serena. É para já que preciso contar as descobertas, alisar seu peito, preparar uma massa, sentir seus cílios.“Claro, o dia de amanhã cuidará do dia de amanhã e tudo chegará no tempo exato. Mas e o dia de hoje?” Não quero saber de medo, paciência, tempo que vai chegar. Não negue, apareça. Seja forte. Porque é preciso coragem para se arriscar num futuro incerto. Não posso esperar. Tenho tudo pronto dentro de mim e uma almaque só sabe viver presentes. Sem esperas, sem amarras, sem receios, sem cobertas, sem sentido, sem passados. 
( Caio Fernando Abreu )

Eu quis tanto ser a tua paz,

quis tanto que você fosse o meu encontro. Quis tanto dar, tanto receber. Quis precisar, sem exigências. E sem solicitações, aceitar o que me era dado. Sem ir além, compreende? Não queria pedir mais do que você tinha, assim como eu não daria mais do que dispunha, por limitação humana. Mas o que tinha, era seu. ( Caio Fernando Abreu )

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Brinca demais e não cresce. Cresce demais e não aprende. Aprende demais e não serve. Serve demais e não ajuda. Ajuda demais e não acha. Acha demais e não sabe. Sabe demais e não muda. Muda demais e não gosta. Gosta demais e não fala. Fala demais e não escuta. Escuta demais e não se importa. Se importa demais e não demonstra. Demonstra demais e não sente. Sente demais e não ama. Ama demais e não sofre. Sofre demais e não pensa. Pensa demais e não cala. Cala demais e não grita. Grita demais e não guarda. Guarda demais e não explode. Explode demais e não se arrepende. Se arrepende demais e não luta. Luta demais e não ganha. Ganha demais e não divide. Divide demais e não sobra. Sobra demais e não encontra. Encontra demais e não anda. Anda demais e não cansa. Cansa demais e não deixa. Deixa demais e não insiste. Insiste demais e não chora. Chora demais e não dorme. Dorme demais e não sonha. Sonha demais e não acorda ...
                             (Ismara Alice)

domingo, 13 de fevereiro de 2011


Já é madrugada. Todos dormem. Eu continuo aqui, insone e só.
Hoje a saudade me aproximou da lembrança...
Naquele primeiro dia do mês, naquele quase início de noite, te olhei com uma intensidade maior e por um breve instante observei você indo embora. Só então, fui capaz de dar valor aos tantos minutos perdidos com bobagens, coisas alheias.
Minha vontade é retardar as horas e fazer você demorar mais tempo em mim. Nem que seja só por mais um segundo, um mísero segundo.
(Ismara Alice)
Make it last!

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

Seu amor é uma lesão traumática superficial.
Mergulhei minha vida em você. Eu respirava seu nome. Sonhava suas palavras. Mastigava sua música. Andava com seus pés. Pensava seus gestos. Vivia seu caráter.
Você tinha pouca capacidade de amar e eu não me importando muito com isso. Meu amor era inesgotável. Amava por dois. Em troca recebia um sentimento metódico. Um fingido carinho. Um fingido interesse. Com isso, você me levou ao pior de mim mesma[...] (
Ismara Alice)
Então ela sonha. 
Sonha baixo. Sonha feliz. Sonha pouco. Sonha nada, quase nada. Sonha alto. Sonha exagerado e cai. Sorrir, levanta. Sonha mais. Sonha tímida. Sonha devagar. Sonha inquieta. Sonha lágrimas. Sonha poucas lágrimas, muitas lágrimas. Acorda assustada. As lágrimas não eram sonho. Fecha os olhos e volta para o seu sonho inadequado. Sonha um sonho desnivelado. Sonha brigas e amores. Passado e futuro. Sonha o oposto do seu sonho anterior. Sonha moderado o impossível. Sonha demasiada uma paixão. Sonha isso. Sonha aquilo. Sonha profundo e simples. Palavras. Letras. Pretexto. Silêncio. Acorda. Olhos abertos. Sonha realidade. Sonha o irreal. Adormece e sonha outra vez e mais outra e outra e outra. Sonha sem capacidade de sonhar. Sonha sentimentalista. Aliança. Chocolate. Pelúcia. Carinho. Sonhos. Saudade. Beijo. Ela sonha com ela. Ela mesma protagoniza seu sonho. Sonha com a falta de tempo. Sonha distância. Sonha amor incondicional. Sai do sonho, levanta, anda e pensa. Agora sonha acordada ao som de uma música que só ela consegue ouvir. (
Ismara Alice)
Era uma vez um amor. Era uma vez outro amor.
Dois amores em um só. Só dois amores.
Um é certeza, o outro contradição. Um nunca tem culpa pelas brigas, o outro sempre tem. Um é o oposto do outro, o outro é diferente de qualquer um. Um xinga quando está com raiva, já o outro faz biquinho. Um fala, o outro escuta. Um machuca, o outro chora. Um explica, o outro não entende. Um canta, o outro encanta. Um é realista, o outro sonhador. Um diz que é pra sempre, o outro fala que é eterno. Um é teimoso, o outro manhoso. Um adora a cor roxa, o outro também. Um é marrento, o outro mais ainda. Um arrisca pés e mãos, o outro nem tanto. Um é fofo, já o outro... O outro tenta ser. Um diz:" Eu te amo", o outro responde:" Eu também". Um completa o outro, o outro completa um. Um se declara, o outro não percebe. Um diz que precisa, o outro diz que satisfaz. Um discute, o outro briga. Um liga, o outro recusa. Um insiste, o outro atende. Um chora, o outro consola. Um chora, o outro também chora. Um diz:" Eu TE quero pra sempre ao meu lado", o outro responde:" Eu ME quero pra sempre do seu lado". Um pede pra voltar, o outro pensa. Um desiste, o outro se arrepende. Um desabafa as mágoas no violão, o outro nas palavras...
                                (Ismara Alice)

Deitada em sua cama, ela tinha pensamentos que iam além desse mundo.
Ela só esperava que alguém fosse a seu encontro, que a fizesse feliz, mas não era tarefa fácil. Quem seria o menino corajoso que se arriscaria a fazer tal feito, já que, nos dias de hoje quase ninguém é capaz de tamanha coragem.
Em um desses seus pensamentos teve uma idéia: viajar. Isso mesmo. Viajar para um lugar onde pudesse esquecer de toda tristeza que ainda carregava no peito com tanta dor. E ela, por mais forte que parecesse, já não aguentava mais tudo aquilo. Sentia seu corpo pesado, cansado, sem forças para lutar. Não era primeira vez que a menina da rosa ficava assim.
Era simples, ela só queria amor.

Meu coração não tem forma, apenas som.

Meu coração é uma planta carnívora morta de fome[...]
Meu coração é um sorvete colorido de todas as cores, é saboroso de todos os sabores. Quem dele provar, será feliz para sempre [...]        (C.F.A)
A noite chega. O sono bate. O cansaço insiste. Os sonhos me chamam. A insônia persiste.
Olhos fechados, fixos na escuridão.
Pensamentos soltos. Lembrança inútil. Saudade repentina. Lágrima teimosa. Uma dúvida. Pergunta sem resposta. Um ‘risinho’ de: “ah, a vida é assim!"
Pensamentos presos. Lembrança que maltrata. Saudade constante. Lágrima inevitável. Uma certeza. Resposta sem pergunta. Uma indagação: “ Porque a vida é assim? "
O sol nasce. O sono volta. O cansaço passa. Os sonhos me embalam.
Olhos abertos, fixos na realidade.
Um novo dia. A vida segue. E ontem... 
Ah... Ontem foi passado!

         (Ismara Alice)

sábado, 5 de fevereiro de 2011

eu te perdi, mais você sabe que nunca vai me perder. ;/

Dor

você me magoou de uma maneira que eu nunca imaginei que magoaria.
você arrancou meu coração e depois fez dele o que quis... pisou, magoou e destruiu.
e agora o que eu faço? eu to perdida, sem chão.
eu confiei em você do jeito que eu sabia que não podia confiar !
você se aproveitou da minha inocência, da minha confiança e do meu amor por você.
você era tudo, tudo mesmo. e como Júnior falou, eu te via como um herói, mas ainda não consigo te ver de outra forma.
apesar de tudo que você fez comigo, eu ainda te amo, como nunca amei ninguém na vida. é por isso que minha dor só faz piorar. o teu amor por mim já se foi, acabou de um dia para o outro, e nada restou, nem sequer pena.
mais o meu amor ainda esta aqui, mais vivo do que nunca, e eu sei disso porque ele faz questão de me avisar, de mostrar o quanto eu sofro sem os teus carinhos, sem você.
mas o pior com certeza é olhar para os cantos de minha casa onde você passou, e lembrar de você. olhar para meu quarto, ver fotos e o ursinho, e sofrer. olha pro orkut, form, twitter, msn, celular, e sentir um vazio tão grande que ninguém consegue imaginar...
tento ser forte, seguir todos os conselhos que me dão, mais é muito dificil.
e ainda ter que sofrer calada.
porque você veio pra cá? porque me iludiu tanto? porque fez promessas que sabia que não podia cumprir? porque ta doendo tanto? ://

sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

Talvez

Talvez você não me cause o mesmo efeito em mim. Talvez não entre em choque ou em nostalgia ao ouvir teu nome, ou talvez nem fique mais chorando pelos cantos querendo ouvir tua voz mais uma vez.
Talvez eu realmente precise de um tempo, aquele tempo só pra mim. Talvez eu precise me amar mais do que amar você. 
Talvez eu me dê valor. Talvez eu não precise mais do teu sorriso pra sorrir ou do som da sua fala pra sobreviver.
Talvez eu queira me libertar ou alguém pra me amar. Talvez eu precise de uma pessoa que goste de mim acima das coisas banais, dos problemas, das pessoas.
Talvez eu precise de carinho, de afeto, de atenção. Talvez seja a minha vez de não ligar pra nada, pra ninguém ou então seja a sua vez de se importar.
Talvez você sinta minha falta. Talvez você precise de mim como eu precisei de você. Talvez você procure alguém que tenha o mesmo sorriso, o mesmo olhar, a mesma intensidade que um dia eu tive. Ou simplesmente um dia talvez, quem sabe, você me ame como eu te amei.